Prepare-se para abusar do vídeo marketing em 2020

26/11/2019

 

O tempo que o brasileiro dedica assistindo a vídeos aumenta a cada ano que passa, inclusive em um ritmo bem maior que a televisão. Segundo análises do Google, no comparativo entre o online e a TV, o YouTube está atrás da TV Globo apenas em 3 pontos porcentuais.

 

E dentre as plataformas disponíveis para vídeos, o YouTube certamente ainda mantém a liderança por causa de sua possibilidade de abrangência de diversas temáticas. 

 

Há canais que apresentam inovações tecnológicas, outros trazem receitas culinárias, alguns dão dicas de makes e há aqueles voltados ao público adolescente – entre tantos outros. As pessoas hoje recorrem ao YouTube para tutoriais, obter dicas ou somente para passar o tempo.

 

Esse contexto em que o público brasileiro consome cada vez mais conteúdo em vídeo fez com que outras mídias sociais também investissem no formato, como é o caso dos stories no Instagram, Facebook e WhatsApp e do TikTok – rede social chinesa mais baixada do momento em todo o mundo.

 

Para comprovar essa tendência, basta acessar o feed das principais redes sociais para ver centenas de vídeos postados por internautas. E, entre eles, patrocinado ou de maneira orgânica, pode ter certeza que também visualizará vídeos de marcas.

 

Isso porque as grandes, médias e pequenas empresas têm vislumbrado nessa tendência uma oportunidade de angariar clientes e alavancar vendas. E a estratégia tem surtido efeito!

 

Estudo recente da Animoto investigou as mais atuais táticas em vídeo e constatou a importância desse recurso como estratégia de marketing para:

 

Alavancar vendas

A maioria dos consumidores entrevistados diz que sua decisão de compra foi influenciada por um vídeo, assim como a maioria das empresas afirma ter conseguido algum novo cliente a partir de um vídeo em mídias sociais.

 

Direcionar tráfego

O estudo mostrou que os consumidores gostam de ver um vídeo da marca antes de clicarem no site. 

 

Engajar o público

Os resultados também mostram que vídeos geram mais interação do que imagens estáticas ou só textos. Esse formato estimula mais visualizações, marcações e comentários.

 

Engaje com vídeos

Agora que você já sabe da popularidade e importância do vídeo marketing e que conteúdos audiovisuais são melhores para atrair, engajar e fidelizar clientes, veja 15 dicas para aplicar em sua marca em 2020, ano em que os vídeos irão bombar – ainda mais – nas redes! 

 

 

1. Os celulares de hoje em dia já têm qualidade suficiente para gravar vídeos para redes sociais, então não se preocupe achando que precisa adquirir uma câmera profissional. O que importa mesmo é o conteúdo. Claro que vídeos bem produzidos e com qualidade são um atrativo a mais, mas o conteúdo é fundamental.

 

2. Vídeos longos são cansativos. Pode até ser que você tenha conteúdo para cerca de dez minutos, mas tente dividi-los por temáticas e linhas de raciocínio. Hoje as pessoas estão acostumadas com stories de 15 segundos, então pedir para verem um vídeo de 10 minutos talvez seja demais. Portanto, seja objetivo.

 

3. Independente do tamanho do vídeo, os 10 primeiros segundos são fundamentais. São eles que irão captar a atenção da sua audiência.

 

4. Direcione o olhar da audiência: pra onde você quer que o espectador olhe enquanto vê seu vídeo? Se possível, foque as informações principais no centro da sua tela, principalmente se ele for publicado no IGTV ou Facebook, porque há bastante informação em cima e embaixo da tela que podem bloquear seu conteúdo.

 

5. Cuidado com o horizonte da sua cena. Se deixar a câmera torta demais, ficará perceptível para o espectador. Outra dica é: evite mostrar muito o teto ou o chão em vídeos verticais.

 

6. Quem usa câmeras profissionais (ou semiprofissionais) para fazer vídeos verticais deve girar – seja à mão ou no tripé – a câmera em 90º, porque assim você usa todo o sensor para captar o máximo de informações possíveis. Para quem tem uma câmera 4k, não tem tanto problema que a captação seja feita na horizontal.

 

7. No processo de edição, uma dica é brincar com o recurso do split-screen, que é a tela dividida. Enquanto na de cima você aborda determinado assunto, pode trazer exemplos na tela de baixo.

 

 

8. Não extrapole os limites de correção de cor, tente manter tudo dentro dos padrões. Isso porque seu vídeo pode ser visualizado tanto por alguém que está na praia, com grande incidência solar, quanto por quem está deitado na cama à noite, com o brilho do celular no mínimo.

 

9. O YouTube pede que os vídeos estejam no formato mp4, bem como outras redes sociais. Esse é o padrão na internet.

 

10. O YouTube aceita todas as velocidades de captura de imagens da câmera — frame-rate de 12 a 60 fps. A plataforma entende as proporções diferentes de vídeos e adapta os players para isso. Além disso, não há duração nem peso limite para envio de vídeos para o YouTube.

 

11. O Facebook tem configurações bem parecidas com as do YouTube, no formato mp4, mas o player não se adapta a qualquer proporção, então envie sempre em 16:9. O Facebook também não aceita vídeos mais longos do que 2 horas e você tem um limite de 4gb por arquivo. Se tiver vídeos mais longos que isso e mais pesados, não conseguirá exportar para a plataforma.

 

12. Os vídeos do feed do Instagram têm limitação de 1 minuto de duração e só podem ter no máximo 4gb, mas há possibilidade de três proporções: widescreen, que é a 16:9; quadrado, de 1:1; e vertical, cuja proporção no Instagram é 4:5.

 

13. Já o stories do Instagram permite pegar a resolução widescreen e virá-la, deixando na vertical (no feed, com a proporção 4:5, isso não é possível). A ferramenta, no entanto, tem algumas “pegadinhas”. Os vídeos têm que ter no mínimo 3 segundos de duração e no máximo 15 segundos. Isso pensando em um stories único, mas o Instagram permite que você envie um vídeo de até 60 segundos, que ele vai dividir em 4 stories.

 

14. No stories, o Instagram pede para manter 14% do seu vídeo livre em cima e embaixo. Portanto, não coloque informações importantes nessas regiões, porque é ali que ficam as fotos dos usuários e as opções de enviar comentários, por exemplo.

 

15. Por último, para enviar vídeos pelo WhatsApp é um pouco mais complicado. Se você usar a câmera do aplicativo para gravar um vídeo e enviar no mesmo momento, só poderá ter até 16mb. O tempo de duração vai depender do peso – não podendo ultrapassar os 16mb. Vídeos com mais qualidade, portanto, devem ser enviados para o YouTube, com compartilhamento do link.

 

Com essas dicas ficou mais fácil publicar vídeos do jeito certo na conta do Facebook, YouTube, Instagram e até mesmo WhatsApp. Lembre-se que o vídeo pode mudar completamente a forma como seus potenciais clientes – e os fiéis – veem sua marca. 

 

Além disso, os vídeos elevam a posição da sua empresa nos rankings dos sites de busca. Está mais do que na hora de investir nesse formato!

 

Share on Facebook
Please reload

Please reload

Recentes
Please reload

Tags

Mídia.Crawl Comunicação Integrada

Rua XV de Novembro, 1112 - Sala 2 | INDAIATUBA - SP | (19) 4042.0897 (whatsapp) | contato@midiacrawl.com

  • Facebook
  • Instagram